Ausência do poder público ronda assentamento onde extrativistas foram mortos no PA

Ausência do poder público ronda assentamento onde extrativistas foram mortos no PA

O clima no Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta Piranheira, em Nova Ipixuna, no Pará, é de abandono. Essa foi a sensação dos senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM), no início desta semana, durante reunião da Comissão Temporária Externa do Senado que acompanha as investigações de mortes em conflitos de terras na Amazônia. Em maio desse ano, os lideres extrativistas José Claúdio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, foram executados a tiros no assentamento.  A Comissão foi até o local ouvir os agricultores sobre a situação. Randolfe é relator da Comissão, presidida pela senadora Vanessa Grazziotin.

A suspeita é de que o crime tenha sido uma “queima de arquivo”, já que o casal lutava em defesa da floresta, o que desagradava muitos madeireiros da região. A luta do casal é a mesma das mais de 400 famílias que vivem no assentamento, porém com a falta de atenção do poder público, esses agricultores se sentem esquecidos pelos governos que só conseguem estar na área quando ocorrem casos de violência como esse. Além disso, muitas vezes precisam recorrer à venda de madeira para conseguirem dinheiro.

Para o presidente da Associação do Assentamento Praialta/Piranheira (APAEP), Osmar Cruz Lima mais trabalhadores podem morrer.

“Se não houver intervenção do estado aqui, vai morrer mais trabalhadores e não serão apenas assassinados, será de fome”, diz seu Osmar.

Eles não conseguem sobreviver da produção de alimentos. Há falta de estradas que facilite o escoamento da produção de derivados da Castanha e do Açaí.  As crianças não encontram escolas próximas ao assentamento e muito menos atendimentos em saúde.  Marabá que é o município mais próximo fica a 120 quilômetros de distância.

Derrubada da Floresta é alternativa

O desmatamento ilegal se torna a alternativa para sobreviver diante de tantas dificuldades. Os agricultores derrubam a floresta e vendem a madeira para serrarias e carvoarias da região. Eles confessam desconhecerem a legislação ambiental, reclamam da falta de assistência técnica e nenhuma das famílias que vivem na área de 22 mil hectares, possui licenciamento ambiental. Com isso, o Incra afirma que 40% da área do assentamento já foi desmatada.

Grande parte deles acumula multas por desmate ilegal que chegam a R$ 80 mil, emitidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“O que se percebe é que existe uma forte intenção dos trabalhadores em ter uma produção sustentável, porém há uma completa ausência do poder público para incentivar a preservação da floresta”, ressalta Randolfe Rodrigues.

Um documento com a síntese de todas essas reivindicações foi entregue à Comissão de senadores. Para Randolfe com essas informações é preciso agir. Ele irá concluir o relatório até o final de agosto. “Essa comissão tem dois objetivos. Um deles é acompanhar investigações, garantindo que os culpados respondam pelo crime. O outro é ouvir esses agricultores, fazer um diagnóstico da situação e apresentar esse relato ao Ministério da Justiça e a presidente da república”, lembra Randolfe.

Inquérito- o inquérito da morte dos dois agricultores será concluído no dia 24 deste mês, afirmou o delegado geral adjunto da Polícia Civil do Pará, Rilmar Firmino de Sousa. O delegado acompanhou a Comissão do senado na reunião no assentamento Praialta.  De acordo com ele mais de 60 pessoas foram ouvidas e já há indiciados como executores e mandante do crime.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *