Randolfe Rodrigues critica privatização de aeroportos lucrativos

BRASÍLIA (Agência Senado) – O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-PA) criticou em Plenário decisão do governo de privatizar três aeroportos brasileiros – Cumbica e Viracopos, em São Paulo e Campinas, e o Aeroporto Internacional de Brasília. De acordo com o senador, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) teria participação reduzida a 49% nesses aeroportos.

– Fico assustado quando o governo da presidente Dilma começa a tomar decisões cedendo aos interesses do mercado. A associação entre interesses públicos e o capital privado sempre se mostrou desfavorável ao interesse público – afirmou o senador.

Randolfe Rodrigues acredita que a medida seria apropriada se o governo tivesse exigido em contrapartida que as empresas privadas assumissem também aeroportos deficitários como os de Macapá (AP) e Boa Vista (RR) ou ainda do interior do Amazonas, como o de Oiapoque, município na fronteira com a Guiana Francesa.

– A Infraero entregar o filé mignon da aviação nacional e continuar a manter os aeroportos não rentáveis não me parece ser um bom negócio para a aviação brasileira – protestou.

Em aparte, a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) lembrou que a presidente Dilma Rousseff teria assumido como compromisso durante a campanha eleitoral a abertura de capital da Infraero para, somente então, promover a modernização dos aeroportos de sua responsabilidade.

Demissão do presidente da Telebrás

Randolfe Rodrigues protestou também contra a demissão do presidente da Telecomunicações Brasileiras S. A. (Telebrás), Rogério Santana. O parlamentar disse que Santana estava empenhado em levar a banda larga para os mais distantes municípios do país. Com a demissão, o senador disse não saber que rumo tomará o Plano Nacional de Banda Larga (PNDL).

Também em seu discurso, o parlamentar criticou a decisão dos Estados Unidos, anunciada pela secretária de Estado, Hillary Clinton, de impor sanções à empresa nacional Petróleos de Venezuela (PDVSA), como parte de sua política unilateral de sanções à República Islâmica do Irã. A PDVSA mantém acordos com o Irã.

  • UMA IMPORTANTE NOTÍCIA PARA VOSSO CONHECIMENTO E PROVIDENCIAS QUE O FATO REQUER:
    Gigante russa do aço entra no Brasil
    03/06/2011 – 07:51:53 – Portal IG SP
    Severstal adquire participação de mina no Amapá que terá o objetivo de exportar minério de ferro para suas fábricas nos EUA.
    De forma bem discreta, a Severstal, a maior fabricante de aço da Rússia, entrou no Brasil. No mês passado, a empresa adquiriu 25% do capital da brasileira SPG Mineração por US$ 49 milhões (cerca de R$ 80 milhões). Embora o valor não seja tão expressivo para uma empresa que faturou US$ 13,5 bilhões (cerca de R$ 22 bilhões), o negócio é considerado estratégico pela gigante russa.
    A lendária fábrica de aço da Ford, hoje nas mãos da russa Severstal: potencial para o minério de ferro do Amapá
    “No futuro, a mina, uma vez operando, pode ser uma fornecedora de minério de ferro de alta qualidade para nossas usinas siderúrgicas nos EUA assim como servir para atender a base de consumidores de minério de ferro nas Américas e Europa”, disse Boris Granovsky, diretor de desenvolvimento estratégico da Severstal-Resources, uma divisão da OAO Severstal.
    Uma parcela dos recursos pagos pela gigante russa à SPG financiará a exploração geológica das minas licenciadas que ficam no Amapá. O objetivo é ratificar o potencial das reservas já encontradas. Em termos de produção anual, a mina pode processar 10 milhões a 20 milhões de toneladas de concentrado de ferro.
    Segundo Granovsky, a estimativa é que as reservas de minérios sejam de 500 milhões a 1,5 bilhão de toneladas, com teor de ferro entre 40% e 45%. Como base de comparação, a mina de Carajás, da brasileira Vale, tem teor maior, por volta de 67%. De acordo com Granovsky, o projeto é localizado próximo a uma ferrovia e um porto já existente. Mas o diretor da Severstal não descarta o interesse de desenvolver a própria solução logística.
    “A aquisição da Severstal no Brasil se encaixa na estratégia global de integração vertical (do minério à produção de aço)”, disse o executivo da empresa russa. “Investir nas matérias-primas relacionadas à cadeia do aço é uma das estratégias prioritárias da Severstal, permitindo a companhia desenvolver um portfólio global de projetos para diversificar o suprimento de matérias-primas e garantir o futuro crescimento das operações de aço”, analisa.

    MEU CARO SENADOR,
    ACHO BOM REVER ESSE CONTRATO MILIONÁRIO DESSA MINERADORA COM O GOVERNO DO AMAPÁ, E VER SE A POPULAÇÃO VAI SER BENEFICIADA EM TODOS OS ASPECTOS. LEMBRANDO QUE O STF PROIBIU AOS ESTADOS DAREM ISENÇÃO FISCAL A ESSES EMPREENDIMENTOS INSTALADOS NOS SEUS TERRITRÓRIOS.
    UM ABRAÇO, QUINTAS

  • Parabéns senador pela criação do blog,mais um meio de comunicação com o povo.Pois é,comer o filé dos aeroportos que dão lucros é fácil,quero ver roer os ossos dos que não possuem rentabilidade como o de Macapá.Abs senador,fica com Deus e continue lutando pelas melhorias do nosso Amapá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *