Senador Randolfe viaja pela BR-156 e obras continuam paralisadas

O senador Randolfe Rodrigues (Rede) esteve em Oiapoque para verificar as obras da BR-156 que continuam paralisadas. O ministro da Infraestrutura chegou a anunciar o retorno das obras. Entretanto, a previsão real é – após vencidos problemas técnicos – que retornem antes de outubro.

“As máquinas estão paradas, o material está aqui e não podemos perder recursos mais uma vez. Vamos solicitar novamente agenda com o Ministro Tarcísio Freitas para pressionar pelo retorno das obras antes das chuvas”, afirmou o senador, que tem tentado um agenda com o Ministro sobre a urgência da pauta.

De acordo com o documento recebido pelo gabinete do senador Randolfe, no início do mês de agosto, em resposta às solicitações feitas pelo parlamentar, as obras do trecho Norte da BR-156 estão divididas em dois lotes. O Lote 2 tem cerca de 27Km, atualmente está sendo realizado trabalho de drenagem e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) calcula que 10km deverão estar asfaltados até o final do ano.

O Lote 3 está paralisado em decorrência de pendências em relação às terras indígenas. O Dnit tem que cumprir a condicionante de construção de sete aldeias, algo em torno de R$35 milhões.

O Ministério ainda informou o destacamento do valor de mais de R$52 milhões na Lei Orçamentária Anual (LOA) para a conclusão da obra.

Sobre a BR-156

O asfaltamento do trecho Norte da rodovia foi iniciado há 43 anos e cerca de 110 Km ainda seguem tomados pela lama e poeira.

O trecho ainda não finalizado fica entre as cidades de Calçoene e Oiapoque e é considerado crítico principalmente no período chuvoso, onde é rotineira a erosão da pista e a formação de atoleiros.

Desde 2011 o senador busca alternativas para a conclusão da obra. “É uma vergonha uma obra perdurar por mais de 40 anos, prejudicando o desenvolvimento do Estado e a vida das pessoas”, disse o parlamentar – que chegou a se reunir com o exército para que eles tomassem a responsabilidade pela execução do asfaltamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *